Blog

3 de junho de 2017

Cultura do abandono


 

   A prática do aborto tem sido tema de debate em diversos segmentos da sociedade. Há várias correntes de pensamento sobre o assunto, desde líderes religiosos, partidos políticos a grupos feministas. 

  No Brasil, a realização de aborto é considerado crime contra vida e possui pena de até três anos de detenção. Nessa perspectiva, há determinados grupos que pedem a descriminalização do ato até as 12 primeiras semanas de gestação. O pedido é baseado no direito de autonomia reprodutiva da mulher. Porém, há questões que necessitam de esclarecimento, como a diferença de um aborto, de acordo com a classe social e a interrupção da vida, como meio de abandono na era contemporânea.

  O direito de interromper uma gestação engloba a injustiça: uma mulher de classe média tem acesso a clínicas clandestinas, enquanto uma jovem da periferia realiza o procedimento de forma precária à sua saúde. Porém, a legalização do crime seria apenas uma válvula de escape para o governo e não a resolução da falta de cuidado com a mulher. Além disso, o mundo contemporâneo esta doutrinado a descartar tudo aquilo que possa impedir seus objetivos. A cultura do descarte está presente na intensa troca de aparelhos eletrônicos e na desvalorização dos relacionamentos e atinge também campos da vida, como o aborto e, até mesmo, a eutanásia, isto é, não utilizar todos os métodos existentes para salvar uma vida.

  Por todos esses motivos, vê-se que o aborto é uma alternativa que não repara as condições precárias de saúde e enfatiza o quanto o homem contemporâneo desvaloriza a vida. Diante disso, é urgente a conscientização dos jovens sobre os métodos contraceptivos, independente do gênero. Outra medida importante é a maior participação do governo para proporcionar apoio às gestantes. Tudo isso para que haja maior bem-estar social e a cultura do abandono não seja propagada, mas sim, a valorização da vida no país.

Autora: Ana Claudia Cantarino. Aluna do Centro de Escrita Regina Magalhães.

Tema:  A descriminalização do aborto no Brasil e as consequências sociais.

 

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *