Adotando um cristal

Postagem : 26 de junho de 2016

Adotar é uma ação séria que precisa de responsabilidade, amor e compaixão. Este tema gera polêmica e reflexões críticas, quando discutido, pode tornar um problema para os cidadãos mal informados. Isso acontece devido ao alto nível de preconceito e discriminação de raça, de deficiência e de gênero que os brasileiros sempre carregaram no decorrer das gerações.

Atualmente, o Brasil se encontra entre os países que menos adotam. Observa-se que crianças brancas, até os três anos e do sexo feminino são as mais adotadas, enquanto órfãos, com algum tipo de deficiência, limitação, enfermidade e de outras raças são extremamente discriminadas. Consequentemente, essas posturas geram jovens machucados, psicologicamente, além de criar um sentimento de rejeição, o que acarreta depressões e revoltas, principalmente, na adolescência.

É indubitável que a falta de informações limita o crescimento do índice adotivo. Brasileiros criam justificativas medonhas para não adotar, como o medo da criança carregar, hereditariamente, características violentas. Porém, a ciência já explica que tais características são fenótipos, ou seja, são adquiridos pelo ambiente em que se vive e não por fatores genéticos. Assim, os jovens órfãos crescem sem uma família para dar base educacional e emocional, tornando-se, muitas vezes, delinquentes e aumentando a criminalidade no Brasil.

Portanto, com a intenção de ajudar esses jovens, é necessário resolver tais problemas. De acordo com o poeta brasileiro Olavo Bilac: “Uma criança é como um cristal e como cera”. Nesse mesmo sentido, ao refletir sobre o ser sensível que é uma criança, é imperioso que o Governo Federal, em parceria com a mídia, divulgue processos de adoção, informe suas vantagens e, além disso, produza palestras motivacionais em orfanatos que ajudem ao emocional e à educação. Dessa forma, os brasileiros terão consciência do ato de amor que é a adoção e os órfãos ficaram menos sensibilizados com a suposta rejeição, diminuindo, consequentemente, a criminalidade no Brasil.

Autora: Hellen Viana de Sousa. Aluna do Centro de Escrita Regina Magalhães

 

Tema: A adoção de crianças é um ato de amor.