Códigos da violência

Postagem : 23 de maio de 2016

O Brasil é um país com características fortes desde a época colonial. Sabe-se que a escravidão, o coronelismo e, principalmente, o autoritarismo burocrático contribuíram significativamente para expressiva convulsão social do século XXI.

Deve-se reconhecer que o acelerado crescimento urbano teve um papel fundamental para o aumento da violência e da criminalidade. É necessário mencionar a falta de políticas públicas efetivas para controlar o aumento desordenado e desorganizado das cidades. Tal fato deu origem às favelizações nas periferias, seguidas da falta de emprego e da necessidade de se estabilizar economicamente.

Por este ângulo, percebe-se que a desigualdade e a falta de educação são aspectos contribuintes para um panorama de violência. Ao contrário de alguns países europeus, como a Holanda e a Noruega, no Brasil, não há uma política de reabilitação para os criminosos e, por isso, o nível de reincidência é de aproximadamente 70%, ou seja, as prisões que deveriam ressocializar o marginal, não exercem o dever com seriedade.

É frustrante perceber que a criminalidade é uma realidade brasileira. A solução para essa questão está nos pilares de uma sociedade, como a família, a escola, e as instituições beneficentes. Na ótica do escritor romântico francês, Victor Hugo: “Quem abre uma escola, fecha uma prisão.” Logo, o código de Hamurabi, “olho por olho, dente por dente” é drasticamente inválido, pois violência não se resolve com violência, mas com educação.

Nathália dos Santos Paes. Vestibulanda (2016) Aluna do Centro de Escrita Regina Magalhães.

Tema: As faces da violência e da criminalidade no Brasil.