Convivência nacional

Postagem : 20 de setembro de 2017

O Brasil contemporâneo sofre as consequências de uma sequência de políticas públicas ineficazes e descabidas. O que acentua a divisão de classes no país, aumenta os problemas de convivência social e coloca a maior parte da sua população em situação de miséria e de violência.

O Exército Brasileiro surge por volta dos anos 1648 e 1649 para expulsar os holandeses da capitânia de Pernambuco, na conhecida batalha dos Guararapes. Desde a sua fundação, tem como lema defender a soberania nacional e não matar “Os filhos deste solo és mãe gentil”, mas lamentavelmente, não é o que acontece na prática. O Rio de Janeiro chama o Exército pela 12° vez em dez anos e como resultado tem-se inúmeras mortes, solução paliativa e momentânea para um problema social profundo e antigo

O verdadeiro inimigo já é bem conhecido e apontado por diversos membros da sociedade. Darcy Ribeiro enfatizava:” Se não fizermos escolas, teremos que fazer cadeias.” É contra esse vilão que o Estado deve lutar e não se aliar a mais violência. As milícias que são um grupo formado por agentes públicos e bandidos, há vários anos, estão no controle de favelas inteiras no Rio de Janeiro extorquindo dinheiro da população mais sofrida

A mudança deve começar de cima para baixo. O Governo Federal, por meio de um planejamento integrado com os Estados brasileiros, deve criar um plano de ação a curto, médio e longo prazo para combater a violência, investir na educação e aumentar o bem-estar social. O cidadão deve ser o foco, juntamente, com o crescimento educacional e social. Só assim, será possível obter no futuro a tão sonhada paz na convivência social do país.

Eduardo Coelho Rangel. Aluno do Centro de escrita Regina Magalhães.

Tema: Onde estão os valores sobre os quais estão edificadas as normas de convivência social no Brasil.