Drogas beneficentes

Postagem : 25 de junho de 2016

Os tratamentos contra a neoplasia maligna, no Brasil, estão se tornando uma tendência em várias universidades. Há pesquisas, em desenvolvimento, não apenas no país, mas no mundo para a descoberta de curas e novos contraceptivos do gênero masculino.

É necessário expor a suposta descoberta da pílula do câncer na Universidade de São Paulo. Essa possível cura ainda não foi testada em seres humanos e seus efeitos colaterais são desconhecidos. Porém, o medicamento foi produzido e liberado sem a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa. Para que alguém obtenha a droga, é necessário somente o laudo médico, sem necessidade de prescrição. Tal ocorrência transfere toda responsabilidade de julgar o tratamento adequado para o paciente.

Ainda merece atenção o fato de que, nos Estados Unidos, o contraceptivo masculino está sendo desenvolvido. Além de possuir maiores benefícios em relação à  vasectomia, cirurgia que impede a passagem de espermatozoides, o método ocasionará alívio de responsabilidade na gravidez. Desde a descoberta da pílula anticoncepcional feminina, em 1950, as mulheres carregam o peso de uma possível gravidez indesejada, porém essa situação pode ser equilibrada em poucos anos.

Diante dos aspectos expostos, são visíveis as descobertas inovadoras e as pesquisas sobre a cura de enfermidades. Faz-se necessária a intensificação dos estudos, para que nenhum medicamento seja usado de forma ilegal ou arriscado para a saúde humana. Além do aprofundamento científico, faz-se importante a agilidade dos resultados para um maior bem-estar social.

 

Ana Claudia Wincler Reis Cantarino. Vestibulanda de 2016. Aluna do Centro de Escrita Regina Magalhães.

 

Tema: O uso das inovadoras pílulas como medicamento são pertinentes no Brasil?