Duelo de ideias

Postagem : 30 de setembro de 2014

Oprimida pelo machismo ao longo da história, a mulher, no século XXI, muda este panorama e se aproxima da esfera política. É válido considerar que, há 50 anos, as mulheres no Brasil sonhavam apenas com uma carreira profissional liberal. Entretanto, nas eleições de 2014 para a presidência do Brasil, três mulheres disputam o cargo. Em verdade, a discussão política atual deveria recair sobre a gestão de ideias e não sobre a questão de gênero.
Deve-se reconhecer que as mulheres não foram contempladas com os mesmos direitos masculinos ao longo da história. Vítimas de uma intensa discriminação, permaneceram submissas por muito tempo. Vale registrar, que em 1932, Getúlio Vargas, por meio de um decreto, instituiu o voto feminino. Tal fato possibilitou às mulheres o poder político, contudo o cenário vivenciado, no mundo contemporâneo, de três mulheres, disputando a Presidência da República é inédito na cultura brasileira.
Sobre pilares machistas, a sociedade sempre fundamentou seu debate acerca do gênero. É possível notar que desconfiança e insegurança ainda são sentimentos de grande parte dos eleitores. Ademais, verifica-se que as propostas, os valores e as ideias são, muitas vezes, deixados de lado, de forma a dar lugar a conflitos e brigas pessoais entre os candidatos. O que importa é a eficiência e eficácia na trajetória e não quem irá percorrê-la.
Diante deste cenário de grande mudança de gênero, a conquista da esfera política pode ser honrada pelas mulheres. Neste sentido, o cumprimento das promessas de campanha, a demonstração dos valores, da ética, da cidadania e ainda do direito à saúde e à educação são fundamentais. Tudo isso é de extrema importância para o bem-estar e o equilíbrio social que devem ser alcançados pelo duelo de ideias e não de gênero.

Bárbara Marcias de Sousa. Vestibulanda.

Tema: Como você interpreta a participação de gênero nas eleições de 2014 para presidência do Brasil?30