Esfera do peso

Postagem : 14 de julho de 2020

Acredita-se que, na Pré-História, o ser humano teve seu paladar moldado para achar carboidratos e lipídios mais apetitosos, uma vez que esses alimentos fornecem a energia necessária para a vida. Naquela época, os alimentos dependiam da caça e da colheita, sendo, por vezes, escassos e por serem saborosos, era uma forma do organismo estimular seu consumo. Todavia, com o passar do tempo, embora os alimentos sejam de mais fácil acesso, o ser humano ainda os acha bem gostosos e, por vezes, ingere-os de forma exagerada. Tal prática leva a problemas, como a obesidade e, esta por sua vez, a outros problemas, como graves quadros de saúde e “bullying”.

Primeiramente, é fato que a obesidade por si só é um problema que restringe a mobilidade e gera problemas, como artrose no indivíduo que a possui. Porém, ela traz consigo riscos, como hipertensão, diabetes, problemas cardiovasculares, entre outros. O problema por vezes, surge na infância e progride nas faixas etárias seguintes, apontado pelo Ministério da Saúde. Segundo pesquisas desse órgão, 20% das crianças menores de 5 anos, 30% das crianças de 5 a 9 anos e mais da metade dos adultos estão acima do peso. Isso se deve, principalmente, à má alimentação e à falta de atividade física.

Além disso, vale ressaltar que os problemas da obesidade não se limitam ao físico, pode afetar também a esfera mental. A sociedade estipula padrões que são normalizados e reproduzidos e isso também implica um modelo físico que é imposto e tido como ideal. Ao se sentirem menosprezados por não se enquadrarem nesse molde, as pessoas obesas podem desenvolver quadros de depressão, bulimia e anorexia. O estado mental é agravado pelo “bullying” sofrido devido ao seu peso. Para Nicolau Maquiavel, filósofo italiano: “Os preconceitos têm mais raízes do que princípios”. Nesse sentido, comprova-se a falta de razão em práticas como “bullying”, que é guiado e nutrido apenas com base no padrão estético do momento.

Diante desses fatos, vê-se uma necessidade de preservar a saúde física e mental da sociedade. Para isso, o Ministério da Saúde deve promover campanhas que estimulem uma alimentação mais regrada e atividades físicas. Centros públicos de ginástica e academias ao ar livre podem ser construídos para facilitar o exercício corporal. Ademais, leis mais rígidas devem ser estabelecidas para os indivíduos que praticam a agressão de qualquer espécie contra pessoas acima do peso. Nesse panorama, espera-se construir uma sociedade mais saudável e respeitosa, livre de pesos como “bullying” e transtornos com a própria imagem.

Autor: Bruno Dias. Aluno do Centro de Escrita Regina Magalhães.

Tema: Obesidade, um peso para a vida.