Graça corrompida

Postagem : 23 de agosto de 2016

Pais podem livremente optar por adoção com o mesmo valor que dariam a um filho biológico. O que comprova essa tese é que ser pai ou mãe vai muito além da forma que se obtém um filho legalmente.

Adoção é uma ação a qual sempre deve ser feita com amor. Não é uma ato de querer ser pai ou mãe, pois querer muitos querem. A questão é ser pai ou ser mãe e lutar para se obter esta realização, visto que é o futuro de um ser humano, de um órfão em jogo.

Em contrapartida ao dever de se ter uma adoção com base em amor, muitos casais priorizam o molde do órfão. No Brasil, 33,63% aceitam apenas adotar meninas; 41,19% só aceitam crianças brancas e apenas 25,69% concordam em adotar crianças negras, dados fornecidos pela CNA.

Utilizando outro ver, da mesma forma que há um preconceito racial e de gênero, por parte daqueles que adotam, há um preconceito também por parte daqueles que generalizam aqueles que adotam meninas de pele branca. Isso tudo se concentra em um preconceito ancestral, que não vem por parte da adoção. É um caso cultural. A discriminação está na essência da raiz humana.

Adoção é um anjo que infelizmente pode ter sua graça corrompida. O erro não está nos casais que adotam brancos, garotas e não os de outras raças e que sejam garotos. O empecilho é o preconceito. A justiça será feita apenas quando o ser humano conquistar aquele amigo que o homem sempre nega, mas sempre está disponível, o respeito ao próximo.

 

Autor: Bernardo Berriel. Vestibulando 2016. Aluno do Centro de Escrita Regina Magalhães

Tema: A adoção de crianças é um ato de amor.