Justiça Selvagem

Postagem : 3 de outubro de 2012

Não é novidade que o homem possui fortes sentimentos que acarretam fatos irreversíveis. Vale comentar que, desde as tragédias gregas clássicas, até a atualidade, a justiça está presente em fatos vingativos.

Revidar à altura um ato lesivo é um impulso comum a várias espécies animais. Estudos realizados, na Suíça, demonstram que a vingança produz satisfações no córtex cerebral. É preciso saber então, até que ponto uma retaliação está dentro do normal, ou seja, dentro do padrão humano.

Não há dúvida de que o ato de revidar pode ter influência externa como os meios da mídia. A partir do momento em que uma morte se torna plausível, não é estranho também que isso passe a ser uma normalidade para alguns indivíduos. Desde as tragédias gregas clássicas, há evidências de que o homem é um ser vingador, evidenciando assim, que a represália é mesmo um ato primitivo. Um exemplo é a peça “Medéia” que é a expressão da força cega da vingança.

Com base nos argumentos apresentados, observa-se que a vingança atormenta a mente do homem há milênios. Vale ressaltar ainda, que esses atos podem causar problemas maiores na sociedade. Logo, deve-se procurar manter o equilíbrio e a paz mental. Um bom começo é tentar evitar que o homem pratique essa justiça selvagem em seu cotidiano.

Igor Gantos do Amaral Quintanilha. Idade: 15 anos. Pretende atuar, nas Áreas de Humanas, com foco em Direito