Limites pedagógicos

Postagem : 7 de setembro de 2018

O “smartphone” é cada vez mais onipresente entre os jovens. O século XXI é um período de inúmeras transições, dentre elas, está a forte presença dos aparelhos celulares na vida escolar dos alunos.

O cenário é de questionamento, pois muitos alegam que os aparelhos celulares prejudicam os adolescentes, porém a sociedade não é a mesma, quando se fala em tecnologia e em segurança. Atualmente, os responsáveis dependem do aviso de que seus filhos chegaram à escola bem para seguirem com suas responsabilidades. Por esse motivo, a cidade de Nova York desistiu da proibição pela insatisfação dos pais em não terem contato com os filhos pelos celulares no período escolar.

É preciso conviver com os tempos, porém impondo limites. Da mesma forma em que décadas atrás, a palmatória fazia parte do cotidiano escolar, a nova ferramenta útil para o aprendizado é o celular. É preciso considerar que a educação e o respeito ao professor devem andar juntos com a evolução. Porém, o educador em geral, ainda é a figura central na sala de aula.

É notória a necessidade do estudo de como usar os celulares nas escolas. Não convém proibir os aparelhos como proteção pedagógica, se os mesmos forem introduzidos de forma saudável. Cumpre lembrar a obrigação dos treinamentos para os gestores pedagógicos para lidar com a nova juventude. Além disso, precisa ser reforçado aos alunos o respeito ao ambiente em que estão, para que tenham um convívio digno e sadio com os integrantes da escola e na vida social.

 

 

Autora: Fernanda Escocard. Aluna do Centro de Escrita Regina Magalhães.

Tema: A proibição do celular nas escolas é uma proteção pedagógica?