Mais frutos de amor

Postagem : 6 de outubro de 2021

“Nosso caráter é o resultado da nossa conduta”. Tal citação do filósofo grego Aristóteles reflete o atual problema da violência contra vulneráveis, especialmente, mulheres e crianças, agravada pela pandemia. Neste contexto, faz-se necessário analisar o paradoxo que o público feminino enfrenta, quando pensa em fazer uma denúncia e as consequências dos abusos na vida dessas pessoas. Outro aspecto importante a ser analisado são os efeitos dos maus tratos na vida das crianças.

Em primeiro lugar, é válido ressaltar a dificuldade que algumas mulheres têm para denunciar seus cônjuges. A respeito desse tema, a série brasileira “Bom dia, Verônica” retrata com brilhantismo diversos tipos de violência contra mulheres, em especial, a domiciliar sofrida pela personagem Janete. Esta atriz é constantemente violentada pelo marido, mas se recusa a fazer a denúncia, por coação, medo e, até mesmo, pela falsa esperança de que o parceiro irá cessar os abusos. É fato que violências desse tipo, que aumentaram com o isolamento social, geram, nas vítimas, quadros de depressão, alcoolismo e até mesmo suicídio.

Ademais, é de suma importância compreender que a quarentena aumentou os casos de violência infantil. Vale frisar que a educação por meio da violência era muito comum no Brasil até pouco tempo atrás. Nesse contexto, o filósofo brasileiro, Paulo Freire, oportunamente, coloca-nos que: “Não se pode falar de educação sem amor”. É necessário acrescentar ainda que o ambiente escolar, ausente no período pandêmico, era propício à observação de hematomas nas crianças, o que facilitava as denúncias. Em consequência dos abusos, crianças tornam-se adultos inseguros, incapazes de resolverem conflitos e, muitas vezes, repetem a violência na vida adulta.

Diante dos fatos supracitados, fica evidente que a cultura da violência doméstica deve ser erradicada urgentemente. Espera-se que as autoridades policiais e os juízes sejam rigorosos ao punirem os violentadores, de acordo com o Código Penal brasileiro. É hora de a sociedade pensar em denunciar agressores, sem medo de impunidade. Nessa perspectiva, é imprescindível a disseminação de propagandas do disque-denúncia em mídias televisivas e “outdoors”. Em suma, com as estratégias corretas, o caráter social poderá, enfim, colher mais frutos e condutas de amor.

Autor: Pedro Zingoni Peçanha.