Nativos digitais

Postagem : 7 de abril de 2019

De acordo com o pensamento do sociólogo Zygmunt Bauman, o período vivido atualmente pode ser conhecido como Modernidade Líquida, em que as relações interpessoais deixam de apresentar a solidez e a ideia de permanência, características dos séculos anteriores. Analogamente a esse conceito de Bauman, é possível perceber os sinais desses tempos líquidos, ao analisar a colisão entre ideias e pontos de vista dos representantes das gerações X, Y e Z, sendo a última conhecida como “irmã da tecnologia”. Assim, é verdade que o conflito entre as gerações pode desencadear, além de um extremo criticismo de todas as vertentes, mudanças pontuais em diversas áreas humanas.

  A rapidez do fluxo de informações, que permeiam a vida das pessoas atualmente é notável, bem como a forma com que as diferentes gerações lidam com esse dinamismo. Apesar de uma mesma realidade, aqueles que nasceram, entre 1995 e 2012, isto é, a geração Z, possuíram o amadurecimento e a inserção na sociedade acompanhados pelo rápido desenvolvimento tecnológico. Enquanto isso, as gerações anteriores tiveram que inserir esses novos mecanismos, em sua concepção de realidade, já estabelecida e sólida. Esse fato alimenta a falta de compreensão, entre as pessoas de uma mesma sociedade, sendo impulso para a desvalorização das ideias dos mais novos e dos mais velhos, que não compreendem, em geral, o mundo de forma semelhante.

  Sob outro olhar, a dinamização dos sistemas atuais proveniente do desenvolvimento tecnológico traz consequências para a população, inclusive, no mercado de trabalho. Como decorrência desse fato, é possível enxergar a necessidade de um conhecimento básico, acerca da internet, no meio profissional, o que pode ser uma vantagem para a geração Z. Além disso, pilares da educação tradicional já apresentam sinais de degradação, visto que a presença da tecnologia permite uma maior amplitude de métodos de estudo, como os livros digitais ou vídeoaulas. Dessa forma, aos poucos a sociedade sofre diversas mudanças devido à transformação no estilo de vida das pessoas, concomitantemente, à constante evolução da tecnologia e dos meios de comunicação.

  A geração Z, conhecida também como a geração dos “nativos digitais”, ainda trouxe diversos questionamentos, principalmente, por contrapor os ideais sólidos das gerações anteriores. Diante disso, é possível perceber que esses novos jovens, que amadurecem paralelamente ao avanço tecnológico, não abdicariam de seus estilos de vida para adotar o pensamento das gerações passadas, o qual consideram, muitas vezes, retrógrado. Assim, a maneira de minimizar os conflitos entre pontos de vista tão diferenciados seria por meio do estímulo à compreensão, além da troca entre pessoas diferentes e promovendo o aprendizado. A partir desses pontos, a sociedade entenderia as necessidades e especificidades de ambos os grupos, favorecendo-os, no momento da resolução dos conflitos, que atingem a todos os cidadãos atuais e pode vir a alcançar, inclusive, as futuras gerações.

 

Autora: Luiza Miranda. Aluna do Centro de Escrita Regina Magalhães.

 

Tema: Nascidos em tempos líquidos: quem são eles?