Ninguém é uma ilha

Postagem : 3 de julho de 2012

Os relacionamentos são vitais para a sobrevivência no planeta. Em verdade, a construção de um futuro harmonioso depende dessas interligações nas sociedades. Diante disso, é válido refletir sobre a importância da união das lideranças globais perante a uma crise econômica, pois ninguém é uma ilha.

Recentemente, o índice de desemprego na Europa elevou-se em grande escala, demitindo, apenas em fevereiro, aproximadamente 169 mil europeus de seus postos de trabalho. É válido citar ainda, que a crise teve início na Grécia, no entanto, os líderes da Europa continua se recusando a prestar auxílio a esta nação. Observa-se que a falta de interação entre as nações contribui para o desequilíbrio da pirâmide social e econômica.

Por outro lado, é importante lembrar também que não há um compromisso ético, em geral, nas sociedades, com o ecossistema. Diante desse fato, é importante constatar que, no projeto Rio+20, estariam presentes 200 governantes de diferentes países, todavia, apenas 120 irão comparecer à reunião. Os representantes desistentes alegam ter
desconfiança do Brasil, pois é uma nação com ausência de um Código Florestal consistente. Tudo indica que o individualismo contribui para a desorganização entre os países.

A partir dos fatos apresentados, fica evidente que a ausência do diálogo e da interação desfavorece a evolução econômica e social das populações. Como assinalou João Cabral de Melo Neto, “Um galo sozinho não tece a manhã”. Por isso que, diante do ano de eleição brasileira, é fundamental que haja o voto consciente da sociedade brasileira, para escolher um governante que tenha compromisso ético com a nação, com o ecossistema e, principalmente, com o próximo e com as futuras gerações.

Filipe Maciel Rodrigues (Vestibulando. 18 anos)