O exercício da comunicação

Postagem : 29 de setembro de 2018

O ser humano nasce em uma sociedade pré-estabelecida. Sendo assim, para que haja comunicação entre os indivíduos, é primordial a utilização da palavra, pois é o território comum do locutor e do interlocutor.

É constrangedor para a população brasileira assistir à discussão entre dois ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), ocorrida no início do ano de 2018. Devido a não aceitação de ideias contrárias, o ministro Gilmar Mendes proporcionou um desconforto ao ministro Luiz Roberto Barroso. Tudo isto resultou em troca de farpas entre os juízes da segunda turma do STF.

Outro fator, no qual a utilização da palavra é abordada de maneira vertical é a persistência do modelo da escola prussiana, a qual vigora, até os dias atuais no país. A implantação de um ensino vertical não propicia a formação de uma aula interativa. Há, ainda no Brasil, um grande déficit em relação à troca de informações entre professor e aluno. Torna-se interessante a instalação de um ensino horizontal, a fim de promover o compartilhamento de aprendizagens.

Portanto, é imprescindível que o diálogo e a boa execução das palavras estejam presentes no convívio social. É indispensável o exercício do pensamento filosófico da alemã, Hannah Arendt, ao tratar dos três vazios: “pensamento, emoção e a ação”. O indivíduo que não é levado a pensar, não reflete e, por isso, não age. Para que haja a formação de bons laços sociais e uma grande interatividade sociocomunicativa, saber usar as palavras é essencial, pois elas podem ser leves como o vento ou fortes como a tempestade.

 

Autora: Larissa Lopes. Aluna do Centro de Escrita Regina Magalhães.

 

Tema: A palavra tem poder?