Obstáculo Social

Postagem : 27 de julho de 2018

“No meio do caminho tinha uma pedra”, já dizia Carlos Drummond de Andrade. A pedra da sociedade contemporânea é a dificuldade de inclusão de populações de índios e negros na mesma. Isso acarreta um desequilíbrio nas oportunidades desse grupo perante ao resto das pessoas e é uma problemática que necessita das cotas raciais como solução.

Desde o início da colonização brasileira, até o fim do Império Monárquico, em 1889, era vigente a escravidão não só de negros, mas também de índios, embora em menor escala. O país, entretanto, não ofereceu a esses grupos recursos que os inserissem no mercado de trabalho, ao abolir a escravatura e, como resultado, na sociedade do século XXI, ainda se podem observar essas pessoas sendo marginalizadas pela mesma. É preciso reconhecer que um grande percentual de negros e índios não tem acesso à educação de qualidade por estarem sujeitos ao precário sistema público de ensino, logo não têm condições de competir com pessoas que vêm sendo mais bem preparadas para conquistar uma vaga na faculdade.

Existe, ainda, uma diferença entre igualdade e equidade. Oferecer as mesmas condições para todos os cidadãos, coloca-os em pé de igualdade, mas é preciso também considerar a formação e as oportunidades de cada um. Em verdade, as cotas raciais diminuem a desigualdade e dá diferentes condições para que todos possam atingir um mesmo objetivo. Isso é a real equidade.

Embora seja indiscutível a necessidade do sistema de cotas na atual conjuntura do país, elas devem ser apenas temporárias. É preciso que o governo invista em políticas de inclusão social de pessoas que dependem da precária educação pública. A finalidade deve ser eliminar do caminho a metafórica pedra de Drummond e assim, não se fazerem mais necessárias as cotas raciais.

 

Autora: Marina Rangel. Aluna do Centro de Escrita Regina Magalhães.27

Tema: Cotas raciais: sim ou não?