Paradoxo no esporte

Postagem : 3 de outubro de 2012

Os jovens brasileiros, em geral, têm causado um aumento considerável da violência por meio do esporte. É preciso enfatizar que tal problema não acontece somente no Brasil, pois outros países também enfrentam casos semelhantes. Porém, há nações que souberam lidar melhor com a logística dessa situação.

A intolerância ainda é uma grande pedra no meio do caminho de uma sociedade civilizada. É notável que uma parcela dos torcedores cria conflitos com outras pessoas oriundos de uma partida de futebol mal sucedida. A consequência disso é o aumento das tensões nos estádios e, até mesmo, nas ruas. Vale explicitar ainda, que parte dos cidadãos temem aparecer em público, vestindo a camisa do seu time, devido ao medo de serem agredidos ou ofendidos por isso. Diante desse quadro, nota-se que o fanatismo e a intolerância têm retirado a liberdade de expressão dos indivíduos principalmente no esporte. Consequentemente, isso contribui para o aumento da violência entre os jovens.

A questão da agressividade dos torcedores nos estádios motivou o Reino Unido a tomar medidas rígidas de segurança. Vale lembrar que o país passava por momentos difíceis com os “hooligans”, isto é, uma torcida organizada local, que frequentemente cometia crimes devido ao esporte. A situação só foi resolvida após a instalação de câmeras nos campos britânicos e punição severa. Por isso, vê-se que o Brasil não é o único a passar por problemas de violência no esporte por parte dos jovens.

As atividades esportivas existem com a função de educar fisicamente e psicologicamente as pessoas. Paradoxalmente, nota-se o aumento da criminalidade entre os torcedores. Portanto, é inadmissível silenciar sobre o caso e atitudes inovadoras são indispensáveis. É importante seguirmos o Reino Unido e investirmos na fiscalização, no policiamento e na instalação de câmeras, tanto nos estádios, como nas ruas. Socialmente, é imprescindível a aceitação das derrotas e vitórias para erradicar tal problema. Somente com a conscientização de todos é que a violência dos jovens, no esporte, não aparecerá mais nas páginas policiais.

Caio César La-Cava Gonçalves Bernardo Idade: 19 anos. Pretende cursar Engenharia Civil.