Pena e compaixão.

Postagem : 27 de junho de 2016

A relação entre as ações, favor e gentileza é contraditória. Aprofundando-se, neste tema, torna-se possível explicar como as idéias opostas podem influenciar o comportamento dos indivíduos presentes em uma sociedade.

Um gesto inesperado é impactante, quando feito e, se for por natureza bondosa, possui a capacidade de transformar a tristeza em alegria, o choro em riso e o ódio em amor. Ter compaixão para com o próximo é um ato de gentileza sincera, diferentemente, de um sentimento de pena, que não pode ser comparado com o ser gentil. Sentir pena de alguém é algo que promove a tristeza interior e a realização de favores e está interligada a outro contexto. Pode-se enfatizar isso com um crime, no qual o réu deve pagar uma pena pela infração cometida e, dependendo do tipo de ação, a vítima pode ser favorecida por meio de uma indenização.

É importante ressaltar que as sociedades, em geral, perdem a oportunidade de conviver em um ambiente de gentileza, harmonia e solidariedade. Os frutos dessa maneira de viver, certamente, tornam a vida amarga e promove a reação da ira e dos conflitos interpessoais que ocorrem diante de uma discussão ou divergência de opiniões.

Diante desse cenário de ações interpessoais, uma boa proposta é a reflexão e o exame de consciência, para se certificar de todas as atitudes e decisões tomadas enquanto se enfrenta um problema. Um coração gentil sempre resplandece alegria no exterior da pessoa e cria um semblante de felicidade. Caso contrário, refletirá a tristeza da alma, o orgulho, o egocentrismo e a infelicidade.

 

Autor: João Marcus Crespo de Oliveira Lima. Vestibulando 2016. Aluno do Centro de Escrita Regina Magalhães.

 

Tema: Qual é o poder da gentileza?