Potência hídrica mundial

Postagem : 27 de abril de 2014

A presença de água no globo remete a uma questão básica: a escassez iminente desse recurso caso não seja reduzido seu uso imediatamente. Esta questão evidencia que, apesar da elevada disponibilidade dos recursos hídricos, não há, em algumas regiões, políticas que objetivem uma melhor administração da água resultando em um melhor aproveitamento dessa riqueza nacional.

Sabe-se que o Brasil abriga 12% de água doce disponível no globo e, desse modo, o país representa uma potência de água, com abundância do recurso em seu extenso litoral. Isso implica dizer, que grande parte da geração de energia do território brasileiro provém das usinas hidrelétricas. Assim, o governo deve estar atento às medidas que viabilizem seu uso de maneira sustentável.

Em linhas gerais, as duas maiores metrópoles do país têm discutido acerca da disponibilidade dos recursos hídricos em seus territórios. A questão evidencia que, São Paulo tem buscado por meio de projetos, desviar parte do curso hídrico do Rio Paraíba do Sul para seu estado. Originalmente, a maior parte das águas desse rio que, na língua tupi, quer dizer, “mar ruim”, permanece no Rio de Janeiro. É necessário, a partir de tais observações, que o governo reflita sobre a importância dessa principal fonte de captação de água para a região metropolitana.

Diante dessas considerações, é oportuno salientar, que não há escassez de água no Brasil. Todavia, a problemática decorre da má utilização e do aproveitamento da mesma. Uma alternativa seria conscientizar a população, por meio de ideias de cunho sustentável, para que todos priorizem medidas simples para redução do uso da água. Diminuir o tempo no banho, ou fechar a torneira ao lavar a louça são medidas que não necessitam de elevados gastos do governo, contudo podem resultar, em até um terço, a economia de água.

 

Barbara Jacyntho. Vestibulanda.