Privacidade pública

Postagem : 2 de junho de 2012

No contexto contemporâneo, as informações e as notícias atravessam o mundo em segundos. Vale acrescentar ainda, sobre o avanço que a comunicação e a troca de conhecimentos estão tendo.

Diante desse pressuposto, nota-se que estes progressos acontecem graças ao crescente desenvolvimento tecnológico, principalmente dos canais midiáticos. Por outro lado, toda ação tem uma reação de mesma intensidade, mesma direção e sentidos opostos, como assinalou Newton. Ao publicar alguma notícia na mídia, em especial na internet, o assunto estará em aberto para todas as pessoas, seja a questão de interesse público ou privado.

É notório que as redes sociais são muito populares. Por meio delas, os jovens, que são a maior parte dos usuários, socializam-se, trocam ideias e passam boa parte do seu tempo. Em verdade, muitos usam a internet para fins adequados, como estudo e diversão saudável. Vale lembrar os protestos que aconteceram em países como a Líbia, por exemplo, em que os jovens reuniram-se pelo “twitter” e organizaram manifestações que tiraram do poder o ditador Muamar Kadafi, que governava há mais de quatro décadas. Em contrapartida, há aqueles que utilizam seu tempo “on-line” para praticar crimes ou difamar alguém em público.

A fim de tornar o acesso à rede um direito tão importante quanto a saúde, é necessário que seja ensinado na escola, desde cedo, como se comportar na internet. Como citou o poeta brasileiro Castro Alves: “A praça é do povo como o céu é do condor”.  Sendo assim, é bom lembrar que as redes sociais são públicas e o limite com o privado quem decide
é o usuário.

Rayanne Lopes. (18 anos. Passou para medicina na Universidade Severino Sombra, em Vassouras – RJ. Redação com nota 1. 000 no ENEM de 2011).