Promoção de Cidadania

Postagem : 15 de setembro de 2015

A sociedade contemporânea vivencia um caos socioeconômico, no qual as novas tecnologias estão interferindo no ato médico. Em vista disso, percebe-se que tal interferência provoca transformações que podem acarretar grandes consequências.

Não é segredo que os aparelhos tecnológicos têm sido fundamentais para facilitar o trabalho em todos os setores e a medicina não foge a regra. O problema central é que tal interdependência tem gerado o decrescimento da relação médico-paciente. Isso evidencia uma sociedade, em que a essência da profissão médica, em geral, foi jogada para escanteio. Dessa forma, isso nos remete a um problema bioético.

Outro ponto destoante é a mídia que não colabora para a humanização da medicina e, dessa maneira, não há o estímulo social para o respeito e a ética. Esse viés indica que é importante fazer a chamada Anamnese, isto é, um primeiro diálogo entre o médico e o paciente. É oportuno dizer ainda que essa prática do contato físico ainda não foi perdida, porém vem sendo inversamente proporcional ao crescimento de tal abandono.

É importante fomentar atenção para os verdadeiros princípios de um ser humano, usando como ferramenta principal a educação. Como advertiu Mandela: “A educação é a arma mais poderosa para mudar o mundo”. Sendo assim, é crucial lecionar para que os profissionais médicos exerçam a cidadania e entender que é necessário cuidar do bem comum para realmente encontrar a beleza da profissão que cuida da saúde.

Fellipe Sepúlveda. Vestibulando.

Tema: A medicina é humana, em sua essência, é feita de humanos para humanos. Como você percebe as peculiaridades da relação médico-paciente com as novas tecnologias do século XXI?