Reflexos das Olimpíadas de Tóquio

Postagem : 2 de setembro de 2021

“A vitória não pertence aos mais fortes, mas aos que a perseguem por mais tempo”. Tal citação do estadista francês, Napoleão Bonaparte pode facilmente se inserir no contexto das Olimpíadas de Tóquio de 2021, onde diversos aprendizados puderam ser identificados. Sabe-se que, a cada edição, os jogos olímpicos constituem um reflexo da sua época. Faz-se necessário, portanto, analisar a superação gradativa dos preconceitos, ao longo dos anos, bem como alguns exemplos positivos constatados na última edição.
Em primeiro lugar, é importante ressaltar a relevância feminina no maior evento do esporte mundial. Vale frisar que a quantidade expressiva de medalhas das mulheres brasileiras é uma vitória social, visto que segundo o Decreto-lei 3.199, de 1941, as brasileiras eram proibidas de disputar diversas modalidades apenas pelo gênero. Outro aspecto importante a ser analisado é o significado da vitória de negras, como Rebeca Andrade, a primeira brasileira a vencer a ginástica artística, um esporte historicamente praticado por pessoas brancas.
Ademais, vale frisar alguns belos ensinamentos das competições esportivas em 2021. É preciso reconhecer que as modalidades do “skate street” e “skate park” mostraram-se inspiradoras em sua estreia nos jogos. É fato que o companheirismo e a solidariedade de todos os atletas dos esportes radicais contagiaram todos, ressignificando o espírito olímpico. Vale ressaltar também o ensinamento de uma das maiores atletas da história, Simone Biles, que optou por não disputar as finais da ginástica artística por não estar se sentindo bem psicologicamente. A respeito dessa desistência, restou o ensinamento de que até os melhores atletas são seres humanos e necessitam do cuidado mental.
Diante dos fatos supracitados, fica evidente que as Olimpíadas de Tóquio trouxeram aprendizados. Espera-se que o Ministério da Educação e Cultura (MEC) e a Secretaria Especial do Esporte trabalhem juntos para disseminar o esporte no Brasil, que mesmo com baixo incentivo, conseguiu o melhor desempenho da história. É de suma importância que haja investimento estrutural no esporte, como construção e reformas de quadras poliesportivas e de pistas públicas de atletismo. Ademais, a organização das olimpíadas anuais interescolares seria um grande estímulo para crianças e jovens. Em suma, com fomento ao esporte, desde a infância, a cultura da perseverança poderá ser semeada no país e as vitórias virão, certamente, não só nos esportes, mas na vida dos brasileiros.
Autor: Pedro Zingoni Peçanha