Reinvenção nas salas de aula

Postagem : 20 de setembro de 2020

No final da década de 1970, Martin Cooper, funcionário da empresa Motorola, criou o primeiro celular comercializado no mundo. Diante disso, é necessário trazer em pauta e um questionamento sobre estimular ou proibir o uso de celulares, nas salas de aula, após a pandemia. Nesse sentido, urge ressaltar que, no período pandêmico, os meios digitais foram ressignificados na educação, como também vale destacar que esse momento é oportuno para uma inovação no ensino brasileiro. Diante disso, é evidente a necessidade de estimular os celulares em salas de aula.

Em primeiro lugar, é relevante destacar que a pandemia do Coronavírus possibilitou uma mudança no uso de celulares entre os jovens. É importante salientar os instrumentos tecnológicos, os quais antes eram fontes de distração e hoje se tornaram meios de aprendizagem eficientes, além de formas de aguçar a obtenção de conhecimento pela curiosidade. Nesse contexto, é oportuno lembrar o sociólogo polonês, Zygmunt Bauman, o qual afirma que as gerações modernas pertencem à sociedade líquida e de contínua mudança em seu livro, “Nascidos em tempos líquidos”. Nesse sentido, fica evidente que explorar o acervo de informações do ciberespaço traz benefícios para a educação do jovem moderno.

Em paralelo a isso, o auspicioso momento é para uma reforma tecnológica no ensino brasileiro. Faz-se imprescindível ressaltar ainda que no Brasil, o uso de celulares em sala de aula é proibido por lei. Ao constatar essa situação, é relevante ressaltar que utilizamos os mesmos métodos de ensino há décadas. Entretanto, no cenário hodierno, as grandes potências mundiais, como os Estados Unidos utilizam “tablets” e celulares nas escolas para dinamizar e inovar o ensino.

Diante disso, fica evidente o atraso tecnológico que a educação brasileira sofre. Nesse prisma, é vital lembrar a poetisa Cecília Meireles, a qual afirma: “Mas a vida, a vida, a vida, a vida só é possível reinventada”. Logo, é notória a vitalidade das escolas brasileiras aderirem implementos tecnológicos em suas salas de aula. Infere-se, portanto, ainda a problemática de proibir ou estimular o uso de meios digitais no campo escolar.

Para tanto, é dever do Pode Legislativo e por meio dos senadores e deputados federais, a modificação da lei atual, quanto ao uso de celulares em sala de aula, por um novo projeto de lei, no qual incentive o uso adequado de acessórios tecnológicos nas escolas, a fim de que a educação brasileira possa inovar e estar próxima a dos líderes mundiais. Somente assim, o Brasil, estará à luz de ser reinventado, assim como diz o poema de Cecília Meireles.

Autora: Mariana Reis Araújo. Aluna do Centro de Escrita Regina Magalhães.

Tema: Pós-pandemia: proibir ou estimular o uso do celular na sala de aula?