Relações mundiais

Postagem : 12 de julho de 2012

Os blocos econômicos mundiais nem sempre atuam com imparcialidade. Diante disso, é válido dizer que os conflitos internacionais sempre ocorreram contudo, nos dias atuais, aparecem de maneira dissimulada e não com os conflitos bélicos datados do passado.

É importante avaliar que o choque de interesses econômicos, entre as potências mundiais nos séculos atrás, eram resolvidos por meio de guerras. O fato é que a Primeira e a Segunda Guerra Mundial ceifaram vidas de milhares de pessoas a troco de quê? Como apontou Martin Luther King: “O que afeta diretamente uma pessoa, afeta a todos indiretamente”, logo é necessário que as nações reflitam sobre o valor de suas perdas e de seus ganhos diante de seus desentendimentos e desencontros.

Ainda merece atenção, o comportamento contemporâneo dos países capitalistas diante da crise econômica que os assola. Nota-se que o pensamento recorrente entre as nações é o de sobressair sua economia, esmagando qualquer país que se torne obstáculo a esse objetivo. Como se vê, na zona do euro, a Alemanha denigre a Grécia, ou é importante lembrar também o que ocorreu no MERCOSUL: a saída do Paraguai do bloco e a entrada da Venezuela, sobretudo, graças aos esforços da Argentina. Assim, vale assinalar que essa desordem mundial tem afetado as relações sociopolítico planetárias.

Pode-se aferir que se o mundo é globalizado e as atitudes devem ser interativas. Não se devem replicar as convulsões do passado, mas tentar agir com ética e respeito aos povos. Além disso, necessita-se acabar com os preconceitos aos países menos favorecidos, para que haja uma governança mais cidadã e digna para refletir o bem estar social nas sociedades.

Lorena de Freitas Barros. Vestibulanda. Pretende cursar Medicina.