Sangue no vídeo

Postagem : 15 de setembro de 2015

A dependência da tecnologia está presente em todo o mundo atual, afetando diretamente as relações entre médicos e pacientes. Diante deste fato, é preciso considerar que a ética moral está perdendo espaço nesta sociedade virtual e, desta forma, surge a questão: o advento da tecnologia na medicina é benéfico?

O homem sempre buscou formas mais eficazes de cuidar da saúde, sendo médico, uma profissão que existe desde a Antiguidade. Tratava-se de curandeiros, de clérigos, na Idade Média e de tratadores que acompanhavam, pessoalmente, os enfermos. Contudo, surge, no mundo contemporâneo, um caso de antítese, entre as interações presentes e passadas, pois a presença do médico, em geral, torna-se cada vez menos efetiva. Convém notar que a prática da anamnese, ou seja, a primeira entrevista feita pelo profissional de saúde, está sendo substituída por uma breve leitura do diagnóstico, sobre os dados do paciente, os quais estão salvos, na nuvem, ou seja, em um arquivo digital. Isto evidencia o resultado da informatização da medicina no século XXI.

Toda está situação foi intensificada a partir dos anos 1970, quando ocorreu a Revolução Informacional na qual se promoveu um grande desenvolvimento da informática. Esta conjuntura de transformação afetou todas as áreas, inclusive na medicina. Por outro lado, o distanciamento entre os homens tornou-se presente, tanto nas relações amorosas, como nas interações médico-pacientes. Isto é fruto de métodos modernos de tratamento, em que o homem está sendo programado pela máquina, o que é um ônus para o enfermo, uma vez que o sentimento de apoio e de solidariedade não estão sempre presentes.

Neste cenário, em que a relação médico-paciente está esfriando, é preciso saber conciliar os benefícios da tecnologia com o calor humano. É essencial que os médicos cumpram o juramento ao se formarem: “Exercerei a minha arte com consciência e dignidade”. Pois, a solução para estes problemas bioéticos é uma característica humana: o amor.

Briana Henriques. Vestibulanda.

Tema: A medicina é humana, em sua essência, é feita de humanos para humanos. Como você percebe as pecualiaridades da relação médico-paciente com as novas tecnologias do século XXI?