Sentimento singular

Postagem : 2 de maio de 2013

As complicações dos relacionamentos interpessoais sempre estiveram afetando o rumo em que a história tomou. Isso prova o quanto esses sentimentos podem representar para a humanidade e, embora sejam de tamanha magnitude, com o atrito das mudanças na sociedade, apresentam-se, nos tempos atuais, visivelmente com novas formas de amar.

É importante refletir como o mundo e seus conceitos evoluíram nos últimos séculos. É inevitável enxergar que, por mais que a essência dos amor continue, atualmente, pode ser visto por diferentes ângulos. Não é mais possível, em meio a tamanha globalização, permanecer com um sentimento idealizado do parceiro, pois pode trazer consigo a decepção e, além disso, a dor ser muito forte. Portanto, deve-se respeitar o modo como os outros desejam amar, porque não importa a maneira como ele vem, pois o efeito de quando é recíproco, é o mesmo, isto é, uma felicidade na sua forma mais verdadeira.

Ainda é necessário mencionar que a ideia de paixão é facilmente confundida, em geral, devido à mídia ou, até mesmo, por grandes mentes literárias. Clarice Lispector assinalou que: “Não procure alguém que te complete. Complete-se a si mesmo e procure alguém que te transborde!”. Embora a autora coloque sua ideia de forma harmoniosa, ainda assim, é utópica, pois não existe alguém sem defeitos, como também não há tal pessoa que complete os defeitos alheios, até porque, não podem ser completados, muito menos ignorados.

Assim, entende-se que um casal não deve ser visto como um homem e uma mulher correndo juntos em meio a uma paisagem bucólica. O amor, quando é verdadeiro, possui brigas e discussões e é algo para ser sentido e, acima de tudo, é essencial que seja recíproco, com um laço único e singular para que realmente una duas pessoas.

João Pedro Patrão de Aquino