Sentimentos e conflitos

Postagem : 8 de novembro de 2011

O século XXI tem sido palco de constantes manifestações e revoltas em várias nações. Diante de tal situação, observa-se que o pavor e a raiva são sentimentos que fazem parte dos seres humanos.

No passado, Benito Mussolini, ditador fascista da Itália e Clara Petacci foram capturados quando tentavam fugir para a Alemanha e posteriormente mortos. Em seguida, seus corpos foram expostos de cabeça para baixo, na Piazzale Loreto, ponto turísitico do país. Outro importante fato histórico foi a morte do ditador iraquiano, Sadam Husseim, que se manteve 24 anos no poder. Vale ressaltar que, no fim da vida, esse governante foi preso e acusado pelos Estados Unidos de desenvolver armas de destruição em massa e morreu foi enforcado. Partindo desses pressupostos, nota-se que houve ausência dos direitos humanos.

Recentemente, a morte do ditador da Líbia, Muamar Kadafi, foi o reflexo da insatisfação e vingança do povo líbio, que esteve apreensivo e com medo durante os 42 anos de ditadura no país. Convém lembrar que os movimentos populares na Líbia, exigiam o fim dos governos autocráticos em prol do estabelecimento da democracia. Além disso, o ex-ditador líbio era a personificação de extensos anos de terror, mortes, intimidações e repressões à população. A questão central é que apesar das ações antidemocráticas, durante a gestão de Muamar Kadafi no poder, o cultivo ao rancor e a raiva mostraram-se fortemente presentes nos cidadãos líbios, que não souberam praticar uma relevante virtude, o perdão ao próximo.

Diante desse contexto, percebe-se que é imprescindível que haja a devida punição para esses ditadores que fornecem grande perigo à humanidade e às futuras gerações. Dessa forma, vale resgatar as palavras de Buda: “Jamais , em todo o mundo, o ódio acabou com o
ódio; o que acaba com o ódio é o amor”. Em verdade, é preciso que se crie um Tribunal ou órgão para julgar opressores sanguinários. Desse modo, nenhum indivíduo necessitará fomentar a vingança.

Maria Carolina de Souza Toledo Paes (16 anos, 2º ano do Ensino    Médio. Objetivo: cursar Faculdade de Medicina.