Superproteção que impede

Postagem : 27 de agosto de 2015

A superproteção dos pais com os filhos se tornou uma barreira para o desenvolvimento e o crescimento do jovem. Diante desse pressuposto, pode-se dizer que o cuidado excessivo contribui para uma nova geração de adultos-crianças.

É importante destacar que muitos pais demonstram o afeto, superprotegendo o filho, embora esse hábito tenha sido influenciado pela contra-cultura dos anos 60 e 70. Ainda merece atenção que tal atitude faz com que transpareça a insegurança dos responsáveis em relação à forma de educar a criança para a vida.

Não é preciso lente de aumento para perceber essas consequências refletidas no jovem contemporâneo. Pode-se notar que a proteção em excesso atrapalha o desenvolvimento, tanto profissional quanto pessoal do indivíduo. Logo, vê-se que há muitas pessoas com dificuldades para gerenciar a própria vida devido aos seus pais superprotetores.

Dessa forma, observa-se que cuidado e proteção de forma exagerada atrapalham uma criança em formação. Com isso, os responsáveis devem dosar o zelo que possuem, pois é por meio dos fracassos e dos erros que também se aprende. Segundo Benjamin Franklin, escritor e político norte-americano: “O fracasso quebra as almas pequenas e engrandece as grandes, assim como o vento apaga a vela e atiça o fogo da floresta”. Logo, é preciso deixar que os filhos resolvam os seus problemas sozinhos, porque eles são criados para voar e não para ficar presos nas “gaiolas” da vida.

Carolaine Almeida do Rosário. Vestibulanda.

Tema:  A ex-diretora de Stanford diz que o “overparenting’ e a obsessão dos pais para guiar e proteger seus filhos criaram uma geração de “adultos-crianças” despreparada para o mundo.

Você concorda com esta afirmativa?