Um escape para aprendizagem

Postagem : 8 de junho de 2020

Estes duros tempos de exceção trazem dificuldades para quase todos os cidadãos. O avanço do estudo pela internet já era muito presente, mas com a pandemia, por causa do coronavírus, aprimorou-se ainda mais. As aulas passaram a ser on-line, porém aquele contato físico entre aluno e professor acabou. Como adaptar os conteúdos, as dinâmicas da sala de aula e as avaliações sem prejudicar o processo de aprendizagem? Como manter os alunos interessados e engajados?

Foi “De repente, não mais que de repente”, como já disse o poeta brasileiro, Vinícius de Moraes. Os brasileiros foram pegos de surpresa. Seus cotidianos mudaram drasticamente. De uma vida agitada, passou a ser só calmaria. Não fomos capacitados para esse desafio. Mas o tempo não para e os estudos devem continuar. Nesse momento, os professores precisam ser criativos e entrarem no mundo dos alunos, para que o estudo fique mais divertido e interessante.

A introdução do ensino a distância para alguns brasileiros tem sido mais fácil, porém muitos estudantes carentes não têm recursos para seguirem as aulas ou cursos on-line. Além de terem menor acesso à internet e computadores em casa, eles dispõem de menor espaço físico para assistir às aulas virtuais. Com isso, milhares de alunos de todo o Brasil estão afastados dos estudos por tempo indeterminado. Causa assim, um grave desequilíbrio no ensino de grande parte dos brasileiros.

Mediante ao exposto, nota-se que está sendo um desafio para os alunos e professores as aulas on-line. Primeiramente, as escolas devem orientar os professores a serem criativos, inventando diversas formas, para que os alunos se interessem mais pelos estudos como: imagens, vídeos e músicas. A criação de grupos, em redes sociais, com os professores e alunos também são importantes, pois podem estar sempre conectados e motivando os alunos a não desistirem dos estudos. Seguidamente, o governo precisa tomar medidas, como a distribuição de computadores e o acesso à internet para os adolescentes que não possuem condições financeiras. Apesar de vivermos meses de tempestades, nada se torna comparável ao contato físico: aluno e professor. Mas, seguindo essas recomendações, os estudos podem ter continuidade, tornando-se um meio de escape para os educadores e estudantes.

Autora: Bianca Sampaio Carvalho Santos. Aluna do Centro de Escrita Regina Magalhães.

Tema: Modelo de ensino on-line, no Brasil, um desafio para professores e alunos.