Voto mais consciente

Postagem : 13 de junho de 2011

A democracia teve origem na Grécia e significa “povo no poder”. Esse sistema, no cenário político atual, é exercido, principalmente, pelo voto. Todavia, o direito ao voto e suas consequências vêm sendo menosprezados no Brasil. Tal fenômeno torna-se evidente através dos votos vendidos e manipulados ou pelo descaso com a influência dos mesmos.

Primeiramente, vale ressaltar que a manipulação de votos, no Brasil, não é uma novidade, visto que antigamente, já ocorria pelo voto de cabresto. Consoante à “Teoria do Habitus”, elaborada pelo sociólogo francês, Pierre Bordieu, a sociedade possui padrões que são impostos, naturalizados e, posteriormente, reproduzidos pelos indivíduos. Nessa perspectiva, as mídias sociais impõem opiniões que são reapresentadas pelos eleitores, influenciando no resultado das eleições. Este fato, somado à compra de votos, demonstra a falta de senso crítico do eleitor e uma “falsa democracia”, uma vez que o resultado das eleições pode não representar o desejo real da população.

Em segundo plano, muitos cidadãos se esquecem do poder do voto e de seus impactos, que podem ser positivos ou negativos. Para o ex-presidente estadunidense, Abraham Lincoln, “O voto é mais poderoso que uma bala”. Nesse panorama, assim como uma bala pode defender ou tirar uma vida, um voto pode prover ou retirar a educação, a segurança, a saúde e a infraestrutura de uma sociedade. Assim, os dígitos selecionados na urna mostram muito mais do que números, pois é a construção da história de um povo, sua prosperidade ou ruína.

Diante desses fatos, para honrar os termos, “Ordem e Progresso” de nossa bandeira, o Ministério da Educação deve buscar a conscientização da população na hora de votar. Isso pode ocorrer, por exemplo, com campanhas que busquem apresentar a relevância do voto no desenvolvimento local. Ademais, cabe ao eleitor informar-se sobre seus candidatos. Espera-se que assim, a democracia seja mais exercida no país.

Autor: Bruno Dias. Aluno do Centro de Escrita Regina Magalhães.

Tema: Eleições de 2020 e a importância do voto.